25/12/2010

Se o Papai noel...



Desejo a todos um Feliz Natal e um Ano Novo com vigor, disposição e sabedoria pras caminhadas de 2011.
Fica o poema do Cuti como lembrete para o Papai Noel.


Para ouvir e entender "estrela"
Cuti


se o papai-noel
não trouxer boneca preta
neste natal
meta-lhe o pé no saco!

20/12/2010

Cadernos Negros 33 - VALEU

Parabéns aos esforços de Marcio e Esmeralda, organizadores do Quilombhoje pela concepção de mais um rebento: Cadernos Negros 33 - poemas. Por trás das poucas horas de evento (serão sempre poucas horas!) foram realizadas incontáveis reuniões, encontros, ligações, intercâmbios de amizades lotados de desejos de consagração do livro e do lançamento. E assim sucedeu até a sua realização. Poetas, músicos, atores, cantores, produtores, colaboradores, amigos, Parabéns a todos nós. Espaços como o Lançamento dos Cadernos ou a Feira Preta (realizada sábado e domingo no Centro de Esposição Imigrantes) , funcionam dentro da comunidade negra como polos mágicos, imantados de muito axé que atraem amantes da arte negra, filhos espalhados da diáspora, pessoas que querem se ver, rever amigos, participar da vivência, desta história coletiva que escrevemos com nossas ações. Valeu.



RAÍZ EM MOVIMENTO

há uma velha raiz
crescendo...
em movimento carapinha
planta esquecida da mudança
rega de enchente sob o sol do descaso
escrita que racha calçadas,
velhas construções...
zumbigando aqui e ali
farfalhar de textos
novos cantos aos orixás
revirados, revirando a história
com pólvora na bala
de vida fértil
e literatura que incomoda







Cuti


Adilson Augusto, Edson, Décio, Walleska, Elizandra, Akins



Helton Fesan




Ilu Obá de Min

13/12/2010

cadernos negros 33





O Marcio Barbosa e a Esmeralda Ribeiro, coordenadores do Quilombhoje, mandaram convidar todo mundo "CADERNOS NEGROS 33 vai ser lançado dia 17/12, na sala Olido.

Para maior conforto de todos os que quiserem participar, solicitamos fazer o cadastramento no link abaixo:

http://www.quilombhoje.com.br/cadastrocn33.html


Autores do livro: Adilson Augusto, Akins Kinte, Ana Celia, Claudia Walleska, Cristiane Sobral, Cuti, Décio Vieira, Edson Robson, Elio Ferreira, Elizandra Souza, Esmeralda Ribeiro, Flávia Martins, Jairo Pinto,Jamu Minka, Lepê Correia, Luís Carlos de Oliveira ‘Aseokaýnha’, Márcio Barbosa, Mel Adún, Miriam Alves, Ruth Saleme, Serafina Machado, Sidney de Paula Oliveira, Thyko de Souza.

Haverá o seguinte bate-papo:

*Cadernos Negros e Literatura Periférica
ÉRICA PEÇANHA (Antropóloga e Pesquisadora – SP)

*Identidade Étnico-Racial na Poesia de Cadernos Negros
PROF. DR. CUTI (Luiz Silva) (Escritor – SP)


E as intervenções poéticas e musicais

com o ator e atrizes:
ANDRÉ PERSAN – (Novela “Água na Boca” – TV Bandeirantes).
LUCÉLIA SERGIO – (Os Crespos).
NARUNA COSTA – (Novela “Tempos Modernos” – TV Globo).

e as cantoras e músicos:
CAROL ANICETO – Cantora (A Quatro Vozes e Ilú Obá De Min).
COSME ALVES (Djambé).
GIOVANNI DI GANZÁ (Instrumentista do Duo Abanã).
LIAH JONNES (Cantora e Atriz).

Direção: EDUARDO SILVA – Ator de teatro, novela e cinema (Novela “Uma Rosa com Amor” – SBT e ganhador de dois prêmios como melhor ator nos Festivais Nacional e Internacional de Belém e Salvador).
Assistente de direção: FERNANDO FAGERSTON.

Stand Up – HELTON FESAN (Escritor)


Música e Dança Afro:
BLOCO AFRO ILU OBÁ DE MIN – Percussão Feminina

Apresentação: MC Levy e MC Mafalda Pequenino
Apoios:
Cone/Sala e Galeria Olido(PMSP)
Deputados Estaduais: José Cândido / Vicente Cândido
Vereadores: Juliana Cardoso / Netinho de Paula / Italo Cardoso / Jamil Murad Coletivo de Negros do Sindicato dos Bancários
Sindicato dos Quimícos
Secretaria da Diversidade do Sindicato dos Comércios
ANID – Ação Negra de Integração e Desenvolvimento – Barueri
Gold Feet Podologia.
Cadernos Negros é uma série que, criada em 1978, vem proporcionando a autores e leitores uma nova experiência em termos de literatura e informação. Este volume 33 denota um amadurecimento de ideias, ao mesmo tempo em que temas e estilos mantêm a vitalidade de sempre. Vários novos autores participam do livro, assim com há a volta de poetas que há algum tempo não publicavam. É de se notar que poemas românticos e sensuais (eróticos até) encontram espaço nesta edição, além dos textos que refletem sobre a existência afro-brasileira contemporânea."

30/11/2010




SOUVENIR
e o sangue continua a correr pela calçada...
é mais uma alma que patina
até a sarjeta
a guia
se vai da terra como bituca pelo bueiro
-a linha da vida rompida em punhos pretos-

nas veias do cimentado
deslizam cápsulas de aço niquelado
feliz souvenir de garotos
a caminho do pão e do leite

28/11/2010

Sarau Afro MIX em Barueri


Dentro das atividades da Consciência Negra, Anid e a prefeitura de Barueri, organizaram eventos que despertassem discussões sobre a participação do negro e a sua atual situação. Dia 26/11, no teatro Municipal, teve a apresentação do diretor de cinema Joel Zito Araujo que falou de seu filme A Negação do Brasil. O Quilombhoje encerrou a noite com o Sarau Afro Mix.


Joel Zito Araujo

Esmeralda, Sergio, Thyko

Liah Jhones


Décio de Oliveira


Esmeralda Ribeiro

Gerson Pedro


Maria Adélia

19/11/2010

Retornei falando de CONTOS AFROS




Ufa,voltei. Essa distância forçada para realizar meu trabalho acadêmico foi de doer, mas valeu. Agora voltei. E volto com a felicidade de poder apresentar este trabalho do Quilombhoje, a coletânia CONTOS AFROS. Editado e formatado para o público estudantil, adquirido pela prefeitura de Belo Horizonte para fazer parte do Kit Escolar 2011, e conta com um texto meu: Jogo Eleitoral.
E aguardem, 17/12 tem Cadernos Negros 33- poemas, na Galeria Olido.
Simbora.

16/10/2010

HOMEM TRABALHANDO


Que coisa chata. Quem passa pensa que o dono esqueceu de colocar uma tabuleta de " estou de férias", "fui ao banheiro", "hora de almoço", "HOMEM TRABALHANDO" ou outra que a imaginação ajude. Mas o meu caso é outro. Estou ausente daqui concentrado na vida lá fora, terminando trabalho de conclusão de curso, preparando material pro livro " Enquanto o tambor não chama" que será publicado em abril. Tô ferradamente sem tempo. Só voltarei com as postagens regulares, lá pras bandas de 15/11. Simbora.

27/09/2010

Tudo que está solto - Éle Semog

Ainda dá tempo. Têm o dia 27(hoje) e 10/10 pra ir a um dos lançamentos do livro Tudo que está solto, de Éle Semog. No Rio de Janeiro, pois é. Vamos torcer, quem sabe, ele também faça o lançamento por aqui. Na terra da garoa(?), do trabalho(?), poluição, ahh, agora acertei.

23/09/2010





(Divulgação)

" Sarau da Biblioteca de São Paulo

Versando liberdade

Quem lê não mosca, voa mais alto!

Quem escreve vai fundo, não boia no raso!

Recital aberto a toda manifestação artística.

Dê voz a um poema!

Mostre sua arte!

Reparta!

Deste time, seja parte!

Aos sábados, das 16h às 18 horas.

Apresentação de Carlos Galdino.




Biblioteca de São Paulo

Estação Carandiru do Metrô – Parque da Juventude

Poiesis – Organização Social de Cultura

Projeto Mapa da Poesia

Produção: Marco Pezão, Cris Nolli e Lid's Ramos "

20/09/2010

MONTEIRO LOBATO IMPRESTÁVEL


Monteiro Lobato imprestável

Calma, calma, quem disse isso não fui eu. Foi Alberto Mussa, autor de Elegbara, O enigma de Qaf, entre outros. Leia trecho de sua entrevista para o jornal Rascunho. ( Em tempo: minha opinião é a mesma!)

“Em 99,9% dos romances brasileiros, você só chama de negro quem é negro. A quem você não dá a cor, presume-se que é branco. Por quê? Porque você escreve pensando como branco e, o que é mais grave, escreve para um público branco. As pessoas que fizeram a literatura brasileira do século 20 não imaginavam que sua obra pudesse ser lida por negros. Não imaginavam que os negros iriam à escola um dia, que seriam universitários, que seriam intelectuais. Escrevi um artigo sobre Monteiro Lobato que me causou um problema tremendo, porque eu disse que sua obra era completamente imprestável, apesar de ser genial. Tenho um grande amigo que é negro, e sua filha negra estuda numa escola onde pegaram para ler o Monteiro Lobato. E, ali, ela leu que a negra é beiçuda e burra. A Tia Anastácia é caracterizada assim. Aí, me responderam ao artigo dizendo que aquilo era um absurdo, porque, para compreender um livro, eu tinha que contextualizá-lo historicamente. Aí, eu pergunto: você vai contextualizar historicamente um livro para uma criança negra de sete anos, que estuda numa escola de padrão alto onde todos os seus colegas são brancos? Vai pegar um livro que diz que a negra é burra, feia e fedorenta - que é como a Emília se refere à Tia Anastácia - e vai querer contextualizar isso historicamente? Esse livro é imprestável para ser usado numa sala de aula. Ele reforça esses estereótipos. Esse é um problema que trai o nosso racismo. Pegue os grandes autores: José Lins do Rego, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa. Os melhores. Você vai ver, neles, esse procedimento. É o personagem Fulano, o Sicrano e, na hora em que aparece o preto, é "o preto". O preto Alguém. E, dali a pouco, esquece-se o nome do personagem e ele passa a ser só "o preto", ou "o mulato". Não é possível. A gente tem que encontrar outra forma de tratar disso.”

MOVIMENTO CARAPINHA



RAÍZ EM MOVIMENTO

Há uma velha raiz
Sempre crescendo...
em movimento carapinha
planta esquecida da mudança
rega de enchente
sob o sol do descaso
escrita que racha calçadas,
velhas construções...
zumbigando aqui e ali
farfalhar de textos
novos cantos aos orixás
revirados, revirando a história
com pólvora na bala
de vida fértil
e literatura que incomoda

16/09/2010

MOOLAADÉ - um filme de Ousmane Sembene




Oubi Inaê Kibuko, escritor e atualmente diretor do curta metragem O HOMEM DE TOUCA, manda esta divulgação "Salve.
Compareça e ajude a divulgar
Moolaadé - um filme de Ousmane Sembene
Local: CECISP- Associação Centro Cineclubista de São Paulo
Rua Augusta, 1239, CJ. 13/14 - Metrô Consolação
Informações: (11)3114-3906
Comentários: Oubí Inaê Kibuko
www.oubifotografias.blogspot.com
--------------------------------------------------
www.tamboresfalantes.blogspot.com

AGENDE-SE: O Cine Afro Sembene, homenagem ao escritor e cineasta Ousmane Sembene, considerado "O Pai do Cinema Africano", acontece no CECISP todo terceiro sábado do mês. As exibições de filmes africanos e diáspora são sempre seguidas de debate com um comentarista convidado e de um chá de confraternização entre os presentes."

14/09/2010

REVELANDO SÃO PAULO

XIV Festival da Cultura Paulista Tradicional, ou simplesmente Revelando São Paulo - 2010 - mudou de endereço, tá aqui no bairro, no Parque do Trote. Domingo, 12/09, aconteceu ato ecumênico em prol da paz. Teve a presença de tanta manifestação religiosa diferente que me deu a certeza que diferente mesmo são os homens, o espirito elevado entrelaça-se em um mesmo ponto. Lá no alto...
Fui assistir e tirar umas fotos.




Dia 18/09 - Sábado, ocorrerá X Noite dos Tambores.










11/09/2010

Januário, Carrefour e a Alteridade

Ontem, em Osasco, foi assinado Pacto contra o Racismo celebrado entre o Carrefour e o Frompir - Fórum Regional Oeste Metrop.em prol da Igualdade Racial. Resultado atingido graças à mobilização de representantes da sociedade civil, organizações do movimento negro somados a postura responsável do Grupo Carrefour. Que durante fala de seus representantes, também informaram a criação de Departamento de Sustentabilidade e Diversidade, que faltava em seu organograma, e que ajudará a implementar políticas não discriminatórias em toda a empresa.

Saiba mais :

Carrefour indeniza vítima de racismo em Osasco
Januário Alves de Santana foi espancado por vigilantes da rede de supermercado em 2009



Para Januário:

SOLANEANDO

Mesmo que você não saiba
Quilombhoje Solaneia
nossas fitas em letras, tretas em Rimas
pura Triquinina, em contos e poemas

Mesmo que você não queira
a sua imagem, despercebida na bandeira
por nós é sempre lembrada,
hasteada, arde em frases
Há mais tempo que uma vida inteira
Na melhor estatística


Cuti


Sergio Ballouk, Abayomi, Cosme




Marcio Barbosa



. Edson Robson - Coordenadoria Municipal do Negro de Carapicuíba



. Tkyko de Souza - Leitura da Carta de Compromisso



Carol Aniceto




. Edson Robson



. Esmeralda Ribeiro



. Claudia Walleska
















Projeto Alteridade
Não _ Ao Racismo Institucional
Sustentabilidade com o Recorte Étnico-Racial


A Rede Carrefour - Carta CompromissoO Grupo Carrefour e Entidades Representativas de Movimentos Afro-Brasileiros do FROMPIR - Fórum Regional Oeste Metropolitano de Promoção da Igualdade Racial promovem em parceria ações para o respeito à diversidade de raça/cor, gênero e religião.
Através do presente documento, as PARTES firmam compromisso em desenvolver e apoiar ações que fortaleçam a formação dos seus colaboradores, internos e externos, registrando o interesse institucional por ações afirmativas que tenham como objetivo eliminar o preconceito e a discriminação étnico-racial no país.
Objetivos
ØImplementar novas políticas institucionais de direitos, que tragam oportunidades à comunidade afro-brasileira, mulheres e homens de ascensão profissional com igualdade de oportunidades, para todas as instâncias da comunidade Carrefour;
ØØPropor mudanças de paradigmas a respeito da comunidade afro-brasileira;
ØØOferecer subsídios que garantam o cumprimento das leis já sancionadas
(Atual Estatuto da Promoção da Igualdade Racial e Leis 10.639 de 09 de janeiro de 2003, considerando a lei 11.645 de 10 de março de 2008.)
Propositivas de início imediato
• Divulgação de boas práticas sobre a diversidade étnica racial por meio dos veículos internos de comunicação – intranet, murais, jornal interno e Tevê Carrefour;
• Garantia da visibilidade da população negra em todos os materiais de divulgação comercial de cunho promocional e informativo em todos os departamentos;
• Informativos e jornal tabloide destinados a clientes, correspondências e outros documentos enviados a fornecedores, possibilitando a informação sobre todo o processo adotado pelos programas e ações em andamento;
• Criação de um site específico para tratar do tema diversidade e inclusão social, que ficará abrigado no portal da empresa;
• Inclusão de conteúdo sobre a temática nos programas de integração de novos funcionários que iniciarem no Carrefour.
•Inclusão de bibliografia específica na biblioteca do Instituto Carrefour e biblioteca itinerante, a ser indicada pela comissão das Entidades Representativas de Movimentos Afro-Brasileiros do FROMPIR, que venha a contribuir com a formação e aprimoramento dos colaboradores no tema;

•Contemplar nas agendas internas intervenções para informação histórica sobre as seguintes datas: 21 de janeiro “Dia de Lutas contra a Intolerância Religiosa”, 21 de março “Eliminação de todo tipo de Preconceito” 13 de maio/1888, Desconstrução do Mito da Abolição da Escravatura;
••Promoção de eventos sócio culturais alusivos ao Dia Nacional da Consciência Negra (20 de Novembro em memória a morte do herói negro Zumbi dos Palmares);
••Apoio da Rede Carrefour as políticas de Reconhecimento das Terras dos Remanescentes de Quilombo em toda extensão nacional;
•Reconhecer às necessidades de implementação de novas políticas que contemple
a promoção de igual oportunidade as mulheres negras no mercado de trabalho,
considerando as questões de gênero com novas propostas e práticas que possam
erradicar as diferentes formas do racismo institucional.
Ações Futuras
•Inclusão de cláusula convencional que determine um treinamento a ser validado pelas partes para a formação para a diversidade étnica racial nos contratos de prestação de serviços firmados pelo Grupo Carrefour a partir de 2010.
••Programa de treinamento e capacitação nos próximos 12 meses de acordo com uma Política para a Diversidade e Inclusão Social a ser desenvolvida pela empresa em conjunto com as Entidades Representativas de Movimentos Afro Brasileiro do FROMPIR.
••A formação acontecerá com no mínimo 2.000 funcionários da rede Carrefour, que mantêm contato direto com os clientes.
•Adotar uma política de alteridade, que terá como referência o Índice de
Desenvolvimento Humano, o atual Estatuto da Promoção da Igualdade Racial,
Indicadores do IPEA sobre o Racismo Contemporâneo e suas implicações e Leis
10.639 de 09 de janeiro de 2003, considerando a lei 11.645 de 10 de março de
2008 (leis essas que exigem o ensino nas escolas em todos os níveis, da cultura
afro brasileira e história da África, ensino da cultura indígena na sua diversidade).

Público-Alvo: Colaboradores do Grupo Carrefour Brasil
1- Metodologia e Estrutura das atividades:
1.•Estudos de casos que contextualize ocorrências de ações preconceituosas, legitimando a implantação do projeto de Promoção de Políticas de Ações Afirmativas Institucionais que tratem do recorte étnico racial.
••Produção de cartilhas, Folders – Livros – CD-ROM
••Organização de eventos, (exposição oral, trabalhos em pequenos grupos com diversos materiais)
••Comunicação e Mídia
••Utilização das ferramentas de comunicação para a divulgação do programa para públicos interno e externo
·Observação: Para tanto, os custos das ações e futuras operações deverão ser
discutidos previamente entre as partes para contratação e a viabilização.

2- Os parceiros principais para a implementação das Ações do Projeto: Associações e Entidades do Movimento Negro que assinam o presente documento junto com a rede Carrefour.Os parceiros deverão dividir a Consultoria e Serviços compostos de:
·Implementação de um programa social com recorte étnico racial, garantindo a sustentabilidade contida no projeto do Grupo Carrefour.
··Elaboração conjunta do Planejamento Estratégico de Reeducação e Comunicação para a mobilização das partes envolvidas.
··Adequação da linguagem para os diferentes públicos na implementação e disseminação do projeto social garantindo o recorte étnico racial no Grupo Carrefour.
·3- Recursos Humanos - Profissionais:
•Advogados, sociólogos, professor, psicólogo, jornalistas, antropólogos, contador e educador.
4- Cronograma das atividades de formação Étnica Racial
vObedecerá a disponibilidade da Comissão Propositiva em comum acordo com agenda fornecida pelo Instituto Carrefour,
5- Critérios de Avaliação
ØSerá pautada pelo envolvimento dos (as) participantes e devolutivas dos trabalhos propostos segundo os critérios pré-estabelecidos para a execução dos mesmos.
6- Previsão Orçamentária
Será de responsabilidade do Carrefour, em sintonia com os custos das ações e
futuras operações - previamente discutidas entre as Partes, para contratação e a
viabilização dos projetos desenhados.
Caberá ao Carrefour garantir da Comissão Propositiva em questão,
responsabilizando-se pelas despesas de transporte e alimentação assim como
as assessorias formativas.
Para tanto, depositará os referentes pagamentos em conta corrente indicada
pela Comissão FROMPIR.
7- Assinam este termo:
•Colaboradores da Rede Carrefour
•Representantes de Governos Municipais, da Igreja Católica Apostólica Romana, OAB, Sindicatos, Fórum da Sociedade Civil
•CONAD – Comissão do Negro e de assuntos Antidiscriminatório da OAB – Osasco/SP- 56ª Subseção
•ANID-Ação Negra de Integração e desenvolvimento- Assessoria de Combate ao Racismo – PM de Barueri
•CGR - Coordenadoria de Gênero e Raça – PM de Osasco
•PAB – Pastoral Afro Brasileira – Igreja Católica- Grupo Afro Dignidade – Diocese de Osasco
•FROMPIR: Fórum Regional Oeste Metropolitano de Promoção da Igualdade Racial
•SECOR – Sindicato dos Empregados no Comércio de Osasco e Região
•IZIS - Instituto Dom Izidore de Souza.

09/09/2010

Esmeralda Ribeiro - Sarau Escritos Negros

Este vídeo foi gravado durante a participação do Quilombhoje no Sarau Escritos Negros, no Centro Cultural da Juventude (CCJ), organizado por Israel Neto. Valeu.

05/09/2010

Poemas da Recordação - Conceição Evaristo





A alegria de pertencer a um tempo da inocência, de desapego a prazeres materiais, a delicadeza de afazeres domésticos em companhia de ricas figuras femininas, de mulheres(muitas!)professorando mistérios em volta da fogueira... É o que espera o leitor que percorre o Poemas da Recordação e outros movimentos, de Conceição Evaristo. Jornada ao sabor da “escrevivência”, síntese pura de seu trabalho, dito pela autora. Destaco trecho de instigação aos muitos movimentos que só o tempo e a consciência um dia permitem:
“...a poesia me visitava e eu nem sabia...”



DA CALMA E DO SILÊNCIO
Conceição Evaristo


Quando eu morder
a palavra,
por favor,
não me apressem,
quero mascar,
rasgar entre os dentes,
a pele, os ossos, o tutano
do verbo,
para assim versejar
o âmago das coisas


Quando meu olhar
se perder no nada,
por favor,
não me despertem,
quero reter,
no adentro da íris,
a menor sombra,
do ínfimo movimento.


Quando meus pés
abrandarem na marcha,
por favor,
não me forcem.
Caminhar para quê?
deixem-me quedar,
deixem-me quieta,
na aparente inércia.
Nem todo viandante
anda estradas,
há mundos submersos,
que só o silêncio
da poesia penetra.

31/08/2010

A CALMA DA FOTO




fotos do aniversário da Fundação Palmares


Fotografias. Gosto de fotos e de fotografar. Talvez nunca fotografei tão bem assim. Lembro-me do prazer de revelar filmes no Museu Lasar Segal, no curso de introdução a fotografia, com a Vera Albuquerque e o Clovis Loureiro. Foto Preto e Branco. E como nessa época eu era muito mais calmo. Habitava em mim o tempo da fotografia. O tempo sempre foi parceiro dos fotógrafos. O instante da captura da imagem, a escolha da foto em roles aleatórios, a satisfação da foto dentro da máquina. Hoje em dia impraticável e, até mesmo, impensável fotografar sem a certeza que as máquinas digitais nos dão. Víamos no rolo revelado, depois no contato e no ampliador. E o tempo seguia de forma harmônica. Cada filme exige uma quantidade de minutos e agitação para revelar as imagens... Água sob temperatura controlada, química feita em dosagens exatas, e sempre, claro, muita calma. Muita calma. Porém ser calmo não necessitava retirar o tempero da vida. Basta verificar o trabalho artesanal do Robert Frank, em “Americanos”. Sua contribuição sobre o povo estadodinense, muito longe da mentira “way american life”. Isso foi há um tempo atrás. Acreditávamos que a Polaroid realmente era instantânea. Outros tempos. As exposições fotográficas acabaram, junto com as iniciativas da área. Os fotógrafos não revelam mais, conectam a câmera aos seus notbooks, escolhem as mais adequadas e mandam para os clientes. A imagem caminha com a aceleração dos dias. Quanto mais rápido, mais imagens. Mas ninguém leciona leitura de imagem, aprende a ler imagens, interpreta imagens. Talvez nos livros infantis ( assim como nos gibis) trabalha-se mais a interação positiva entre imagem e texto- certamente pela temática para atrair a atenção das crianças. Imagem e literatura também deveriam ser pensadas com mais calma. Pena que nos falta é tempo.